domingo, 13 de março de 2011

Um caso especial em minha familia.

A minha irmã Verônica e seu amor  por  um michê.
          
     Digo ser um caso especial em minha família por que nos fez refletir sobre o amor! Ah! Essa boçal ideia de que sabemos tudo e principalmente sabemos tudo para poder condenar o outro.  E quando descobrimos que o outro tem direitos e sentimentos e desejos! Pronto! Nos encontramos mais tolos do que nunca. Mas vamos ao caso de minha irmã.
 Verônica,  já passou dos trinta e cinco e mesmo nos dias atuais com todo o movimento feminista e coisa e tal, 35 anos ainda solteira é  assunto pra comentários de família e amigos . E mesmo que isso não importa para a pessoa, o simples fato dela ficar irritada com qualquer coisa, como nós ficamos. É o bastante para soltarem a famosa frase. " Ela precisa se casar" ou " Isso é falta de homem". Quanta sandice!
Verônica nunca ligou para isso mesmo e  de alguns anos para cá, vem se comportando como se estivesse apaixonada. Sempre feliz, emprestando dinheiro a todos.- Verônica é executiva de uma rede de loja de departamento. - E dando presentes para todos. Viajando sempre e sozinha.
Bem, viajando só era o que pensávamos.
É que não por um desses momentos de abalos familiares, ficamos sabemos que Verônica estava envolvida num caso da morte de um jovem de origem simples, e que  a polícia denominara como michê. Esses rapazes que se prostituem. Então entendemos alguma coisa na vida de Verônica, mas ficamos abalados também por medo dela estar envolvida num assassinato.
Verônica,não estava envolvida no assassinato ficamos sabendo. O que ocorreu foi que o jovem  foi morto com o carro de Verônica  numa tentativa de assalto. Nos da família nos mobilizamos para dar apoio a Verônica e ela sem medo algum do que sentia, transtornada pela morte do jovem nos contou a história.
Verônica conhecera esse rapaz, numa entrevista da empresa para modelos de uma campanha publicitaria . Ela disse que se apaixonou logo que o viu. E começaram a sair e esse jovem contou-lhe toda a verdade. A história que todos devem conhecer: Um jovem bonito vindo do interior e que  para ganhar dinheiro se prostitui. E ele queria deixar essa vida, continuar a faculdade de admistração, ajudar a sua família e montar uma família. Verônica se sensibilizou e começaram a namorar. Ela passou a pagar os seus estudos, arrumou um emprego para ele numa rede concorrente e com o tempo passaram a morar juntos.  E Verônica nos garantiu que ele fazia questão de pagar as contas da casa e não perdia um dia de aula e no emprego.
- E porque nunca nos disse nada? - minha outra irmã perguntou.
-Porque! Porque eu sempre fui motivo de piadinhas de minha condição de solteira. E eu estava muito feliz com ele, e não queria que nada estragasse. E certamente vocês iriam fazer outras piadinhas desse meu relacionamento somente porque ele era mais jovem do que eu.  Mas, não pensei que tive ódio de vocês, e mesmo vivendo com ele nunca deixei de visita-los.
Aquilo foi um tapa em nossos conceitos. Pedimos desculpa, abrimos nosso braços para recebe-la e que estávamos ao seu lado para o que  ela precisasse.
Ela então olhou para nós.
- Estou grávida de quatro meses. E quero que essa criança tenha uma família.
Verônica não é mais a solteirona da família. Ele agora é a mãe de Alex. E  pelo amor que teve por esse  rapaz, não quis mais saber de outro homem. Talvez Veronica seja o raro caso de uma mulher ter amado tanto um único homem que não tem mais espaço em sua vida para outro amor.Amor que não poupa o único filho e todos os domingos visita o marido no cemitério.
Para os demais da família, um silêncio amargo sobre o assunto paira. É que o pior precisa acontecer para respeitarmos a pessoa. Algo hipócrita, barato, mas é de nós humanos e precisamos evoluir quanto a isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário