segunda-feira, 30 de julho de 2012

Valquíria, Mario e a Dançarina Grega.


Valquíria e Mario foram com nós num evento num restaurante Grego no bairro do Retiro, poderíamos ter optado por um restaurante judeu ou coreano também, mas era uma experiência de gustativa nova.
A noite estava agradável nem tão quente nem fria.  Valquíria e Mario sentaram a mesma mesa que eu e minha esposa enquanto as demais pessoas foram se acomodando. Era um evento de uma sociedade que eu participo e inocentemente achei por bem convidar Mario e Valquíria. Enfim...
Nunca havíamos comido algo da Grécia, além do azeite claro. O ambiente era amplo e aconchegante coma aparência de  uma taberna antiga. Vieram os vinhos alguns petiscos de nomes impronunciáveis, mais vinhos ao som de musicas grega também impronunciável ao vivo num pequeno palco bem ao fundo do restaurante.
Derrepente antes do prato principal uma morena linda, estonteante com um desire impronunciável, começou a dançar no meio do restaurante. Era parte do evento.
Rapidamente ela começou a pegar alguns convidados e ia ensinando a dança. Não sei se é uma dança grega típica, mas havia visto no filme Zorba o grego. Já havia um punhado de voluntários quando a cantora veio para a nossa mesa.
Ela “pulou” ignorou  Valquíria e tomou pelas mãos Mario.
Todos Sabem que Valquíria é anã, mas quando ficar irritada cresce mais que o teto. Mas não foi o fato dela ser anã e a dançarina grega te-la “pulado” que Valquíria se irritou.
Ela ficou brava porque a dançarina tomou Mario pelas mãos.
Valquíria não admitiria isso, assim tão barato. E foi quando eu temi pela noite.
Talvez fizesse parte da dança somente homens.  Não sei dizer. Mas lá no centro do restaurante havia somente homens dançando conduzido pela dançarina.
Valquíria apenas olhava calada. E para apimentar a situação. A coisa tava indo pro brejo, a dançarina ficou ao lado de Mario durante toda a dança, abraçando. Eu apenas olhando para Valquíria e pronto para qualquer emergência.
 Então terminou a dança. Todos aplaudiram e cada um voltou para o seu lugar. A dançarina conduziu Mario até a mesa e lhe sorriu por fim.
Valquíria percebeu, e eu temi ainda mais.
Mas para minha surpresa. Valquíria não disse nada, sorriu e jantamos e falamos de trivialidades. Valquíria sorria, a noite acabou e fomos para a casa. Eu fiquei surpreso com a atitude de Valquíria, e confesso de nos dias seguintes não me contive e liguei pro Mario para saber como estavam as coisas.
Ele me disse que estava tudo bem e que Valquíria estava tendo aula de dança grega com aquela dançarina do restaurante. E que estava tudo bem.
Bem, fiquei aliviado. Valquíria queria apreender a dança... Poderia ser um milagre, mas uma mudança dessas que nos acontece ao longo da vida. Mas não acreditei em nada disso.
E resumindo o a história, algumas semanas depois estive no mesmo restaurante com minha esposa e vi que havia uma nova dançarina. Pronto uma preocupação me acendeu. Não me contive e perguntei para gerente, muito simpático, onde estava a antiga dançarina.
-Ela voltou para a Grécia!
-Mas...
-Apareceu aqui um dia, com o rosto todo inchado e roxo. Disse que tinha sido assaltada. Sabe como é São Paulo. E que iria voltar para a Grécia e voltou. Liguei para ela semana passada e ela disse que nunca mais voltaria pra essa cidade.
- E ela está bem!
-Sim, parece que sim!
O que eu temia havia acontecido. Valquíria  agiu sabe Deus como e de que forma.

domingo, 15 de julho de 2012

Ponto de mudança

Chega um momento em sua vida que não tem jeito, tudo parece cansativo demais. Desgastante demais. Aconteceu comigo:
Depois de 25 anos trabalhando na mesma empresa, chegou esse momento em que não suportava mais acordar no dia e ir trabalhar; não suportava mais olhar para os mesmo rostos e pior de tudo, olhar para o retrato do fundador da empresa, que estava posto em todas as salas com o sorriso de sempre. Dizendo pra gente. “Ai seus babacas, eu venci e vocês”.
Mas eu tinha que continuar empregado. Tinha contas a pagar, escola das crianças, e tudo o que a vida moderna nos suga.
Um dia cheguei em casa, cansado e exausto disse para a minha esposa que não queria conversa com ninguém. Tomei um banho demorado e fui dormir cedo. “a psicologia sempre diz que somo demais é fuga” e era mesmo. Eu queria deixar a realidade que estava vivendo. Sei lá fugir para outra dimensão, uma caverna escura ou para ilha da mulher maravilha...
E ao contrário de todos os meus desejos, eu me vi num caminho longo que eu tinha que atravessar. Claro que todos os sonhos trazem algo que está dentro de nós. E lá estava eu nesse sonho.
Então comecei a dar o primeiro passo. Depois outro e outro e percorri o imenso caminho. Eram os meus vinte e cinco anos na mesma empresa.  E derrepente apareceu em minha frente à mulher maravilha (na verdade era a minha mulher), como eu desejei e ela me disse.
“Olhe a sua frente, há dois caminhos. Escolha um”.
“Não tem jeito, né! Tenho que escolher um e continuar a caminhado”.
Ela me sorriu.
“Se ficar parado, será uma escolha. Mas o caminho está ai”.
De alguma forma aquele sonho me deu coragem. Acordei no meio da madrugada e não dormir mais.
No dia seguinte a minha mulher, fez um café especial me serviu e olhou para mim.
“ Você não dormiu  a noite toda. Bem, não tá dando mais não é mesmo”.
Eu apenas olhei para ela.
“Não pode continuar assim. É o emprego ou sou eu”
“Bem, não é você, nunca vai ser”.
“Então, parte para outra”.
“Mas e  a casa, as contas”.
“Se continuar como está você morre e ai... Deus me livre. Parte para outra, e se for preciso eu volto a dar aulas... Não posso te perder...”.
E nem eu poderia perder uma mulher dessa. Enfim escolhi o meu caminho.
 Obs.: (Não vou concluir a história por ser pessoal, não quero influenciar ninguém. Afinal somos livres quando fazemos escolhas).