domingo, 3 de abril de 2011

A vida é um sorvete!

A primeira vez que Dona Júlia apareceu para mim!

Quando Dona Júlia apareceu para mim, eu tinha doze anos e estava sozinho em casa. Os meus pais haviam ido em um velório de um amigo e eu não gosto de velório. Ainda mais a noite! Era essa mesma casa em que moro hoje e herdei de meus pais quando eles se foram. Bem eu estava sentado na sala assistindo TV, quando ela apareceu vinda da cozinha. E sentou-se ao meu lado. Eu que sempre fui um cagão e nunca, nunca mesmo assistia filmes de terror. Não fiquei com medo , porque Dona Júlia tinha algo de bom, algo de uma avo amiga.Uma alma amiga da família. E ao sentar-se a poltrona ao meu lado, ela me sorriu e sem mover a boca me disse que estava tudo bem que eu não precisava ter medo de nada. Eu sabia que não precisava ter medo de nada mesmo e ficamos conversando. Ela me disse que já havia morado ali naquela casa. Não naquela casa exato, mas numa casa que ficava onde a minha foi construída e que ela podia ver ainda as coisas da mesma casa sobre as coisas da minha casa agora. 
- É incrível a nossa alma. Cabe de tudo. Tudo o que você colocar nela!
- Coisas ruins também!- perguntei inocente.
- Se colocar  cabe sim! E levamos para onde for. Nunca esqueceremos, mesmo que pensamos que esquecemos.
- É deve ser ruim levar coisas ruim para onde for.
- É! - disse Ela apenas.- Por isso algumas almas sofrem tanto em vida quando na morte. Sabe Melquis eu gosto de me apegar as coisas boas. Estou sempre vindo aqui nessa casa porque eu vivi coisas ruins e coisas boas. Mas sempre que venho aqui. Eu me apego as cosias boa. As lembranças dos meus pais, dos meus amigos vindo almoçarem aos domingos. Nos meus filhos que nasceram aqui. São tantas coisas boas que quando começo a pensar nas coisas ruins e desagradáveis eu vou embora e procuro outros lugares mais gostosos para lembrar de coisa mais gostosas. A vida parece difícil, mas é um sorvete.
- Um sorvete!
- É gostos que é, a gente chupa rápido e pensa que vai acabar, mas tem outros sorvetes com outros sabores.
Eu concordei com ela e depois de algum tempo eu cai no sono e acordei pensando em chupar um sorvete. Não sei se foi sonho, mas se foi sonho ele me trouxe uma boa lição de como apreciar a vida. Algumas pessoas acham que espíritos são frutos de mentes demente. Outra seitas religiosas acham que tudo não passa de artimanhas de Satã para roubar almas  para a sua legião. Outros nem acreditam.  E há os que acreditam. O que na verdade tudo é questão do sabor do sorvete que você esta chupando.
Eu ainda vou relatar outros encontros com a Dona Júlia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário